domingo, 26 de novembro de 2017

QUALQUER DIA DESTES

SERÁ
O MEU SÉTIMO DIA.

NO MEU SÉTIMO DIA 
EU VOU QUERER
DESCANSAR.

(TÉRCIO STHAL)





























DIA DE TODOS OS SANTOS
TÉRCIO STHAL

Até o dia de todos os santos vivi 
como se a vida nunca fosse chegar ao fim, 
como se a vida fosse constituída 
só com alegrias e felicidade...
 
Entretanto, no dia seguinte eu vi 

o tempo que ficou para trás, 
os amores vividos e vivenciados, 
os mortos e os enviesados...
 
Então morri em cada tempo passado, 

em cada uma das paixões sentidas, 
sofrendo a incontida dor da saudade. 




























LUTO (À CARÁTER)
TÉRCIO STHAL

Luto,
luto por todos aqueles 
que tiveram suas vidas ceifadas
lutando por seus ideais.

Eu nunca fui amigo do Rei.

Luto,
luto por estes que sofrem
todo dia, na pele, 
as injustiças por não terem
parentes ou amigos influentes
e por não serem amigos do Rei.

Eu também não sou amigo do Rei.

Luto,
luto por todos os que virão
sem perspectivas, sem futuro,
sem destino certo.

Luto,
luto até pelos invisíveis.

O Palácio e os Palácios
que sobrevivam sem mim.

Eu jamais serei amigo do Rei.





QUAL É O MEU PAÍS?

Este país não é meu, 
não é meu este país, 
de gente que corrompe 
e é corrompida
e que faz muita gente infeliz 
por toda a vida...

O país a que pertenço 

e que me pertence 
é diferente. 
Vive na minha alma 
e na alma da minha gente, 
quer construir e ser feliz.

(TÉRCIO STHAL)




















NA MINHA TERRA TEM
TÉRCIO STHAL

Na minha Terra tem 
gente de todas as Tribos.

Tem vidas e amores 
que se vão repentinamente.


Tem muitos cestos de ovos 
em mãos estranhas.


Na minha Terra tem 
estrelas e raios cadentes.


Tem galinhas chocas 
que cacarejam sem parar.


Tem "bananas" e "laranjas" 

flertando o tempo todo com o poder.

Na minha Terra tem 
encenações e forjas.


Tem artistas de todo tipo 
com "jabás", cachês, luvas e caprichos.


Tem quase tudo o que se possa imaginar.

Nada mais me causa espanto.

Na minha Terra tem 

rimas, versos, cismas e prosas.

Tem festa quase todo dia 

fogos de artifício pelos ares.

E apesar 
de todos os pesares, 
tem esperança que se renova.




CALCANHAR DE AQUILES
TÉRCIO STHAL

Proteja o seu calcanhar, 
Aquiles, 

como se defendesse
o melhor amigo 

ferido
no final da vida.


Proteja o seu calcanhar, 
Aquiles, 

como se defendesse 
a ferida aberta 
que não cicatriza.


Da serpente 
que injeta veneno 

no seu calcanhar 
pode-se extrair 
o antídoto para curar.








terça-feira, 24 de outubro de 2017

"NEM TUDO O QUE CAI NA REDE

É PEIXE."
NEM TUDO O QUE CAI NA REDE
É BOM.
(ESCRITOR TÉRCIO STHAL)





















NÃO POSSO E NÃO DEVO ENGOLIR
TÉRCIO STHAL

Nem que eu queira 
não devo e não posso engolir 
o mundo 
que o dia todo e todo dia 
parece querer me consumir. 

Nem que eu queira 
não posso e não devo engolir 
esta Terra 
que um dia, mesmo que não queira, 
poderá me engolir.





UVAS (VERDES E MADURAS) 
TÉRCIO STHAL

As uvas verdes 
não costumam amadurecer 
de um dia para o outro. 

As uvas maduras 
não costumam cair na boca 
de quem abaixa a cabeça. 





O TEMPO E AS IDEIAS
TÉRCIO STHAL

Todo tempo do mundo 
pode parecer pouco 
para quem depende 
unicamente da sorte. 

Todas as ideias deste mundo 
podem parecer insuficientes 
para quem não acredita 
em nenhuma delas. 





SOBRE A LAGARTA E A BORBOLETA
TÉRCIO STHAL

Lagarta anda, 
se arrasta, 
dorme o sono da morte, 
nem sonha. 

Borboleta voa 
por toda parte. 





EIS O TEMPO
TÉRCIO STHAL

Eis o tempo 
em que não se salva 
sequer 
as aparências. 

Eis o tempo 
em que a verdade 
não se estabelece 
por decreto. 

Eis o tempo 
em que o silêncio 
parece que não vale 
absolutamente nada. 

Eis o tempo 
em que a palavra 
não sabe o que dizer, 
não convence.






SERÁ QUE LÁ É ONDE O SOL NÃO ESTÁ?
















DA MORTE DE CADA UM
TÉRCIO STHAL

Morrem os lobos 
que perdem os pelos. 

Morrem os patos 
que perdem as patas. 

Morrem os pássaros 
que perdem as asas. 

Morrem os homens 
que perdem a esperança. 





TEMPO DE GUERRA
TÉRCIO STHAL

As balas perdidas 
encontravam gente. 
No alto do morro 
tombavam bons e maus 
quando menos se esperava. 

Lágrimas rolavam 
de culpados e de inocentes. 
Do alto do morro 
o que dava para ver 
era o mar de sangue a céu aberto. 





TEMPO DE PAZ
TÉRCIO STHAL

As folhas caíam 
vagarosamente. 
No alto do morro 
dormiam os pássaros 
nos galhos das árvores. 

As estrelas brilhavam 
deliberadamente. 
Do alto do morro 
só se ouvia a leveza 
da brisa e das águas do mar. 





ESQUARTEJANDO CORPO E ALMA
TÉRCIO STHAL

Nem todo enterro é formidável. 
Sofre quem não sabe o que deve descartar. 
Nem toda gratidão é confiável. 
Sofre quem não sabe com o que se fartar. 

Nem toda acomodação é miserável. 
Sofre quem não sabe a hora certa de falar. 
Nem toda dúvida se faz inevitável. 
Sofre quem pensa e sente sem reverberar. 

Se tem lenha, carvão e brasa, é bom acender. 
"Se tem perna anda, se tem asa voa." 
Mão que se fecha não consegue bater palma. 

Quem sabe fazer bem e faz, bem apregoa. 
Quem não sabe guerrear é bom condescender. 
Faz bem quem sabe cuidar do corpo e da alma. 





PRESENTE, PASSADO E FUTURO
TÉRCIO STHAL

Vivamos como se 
o presente fosse eterno. 
O passado a referência. 
O futuro a expectativa.